Como o aprendizado muda à medida que envelhecemos?

Insights da ciência para ajudar as pessoas a aprender bem ao longo da vida.

Publicado originalmente em psychologytoday.com

Aprender é essencial no dia a dia. Sempre que fazemos uma escolha, precisamos saber se devemos repeti-la ou tentar um curso de ação diferente. Mas o que nos faz aprender ou nos impede de aprender?

O ponto chave é se nossas escolhas levam a recompensas (bons resultados, como dinheiro e comida) ou punições (resultados ruins, como perder dinheiro e sentir dor). Essa ideia básica é central nas teorias científicas da aprendizagem. 

A teoria da aprendizagem por reforço afirma que aprendemos com base nas expectativas de recompensa e punição. Quando nossas expectativas são diferentes do que acontece, aprendemos muito, mas quando acontece o que esperamos que aconteça, aprendemos muito menos. Os processos de aprendizagem são tão cruciais para a sobrevivência que parecem ser exibidos em muitos organismos diferentes, de humanos a animais e até plantas.

No entanto, apesar de sua importância em nossas vidas, pesquisas sugerem que a capacidade de aprender muda profundamente desde a infância até a velhice. Entender por que, quando e como essas mudanças acontecem é fundamental se quisermos otimizar as estratégias de aprendizagem e intervir quando elas não atingem os resultados esperados.

A aprendizagem muda da infância para a idade adulta

Desde os nossos primeiros dias no mundo, aprendemos através do reforço. Bebês de dez semanas aumentam a velocidade com que chutam os pés em direção a um móbile de madeira de cores vivas. Bebês de seis meses são capazes de aprender a olhar com mais frequência para uma forma colorida se ela levar a um desenho animado (recompensa) do que se não levar a nada.

Dada essa aptidão inicial para o aprendizado, talvez seja surpreendente que as habilidades de aprendizado mudem tão drasticamente ao longo do desenvolvimento. No entanto, vários estudos sugerem que a aprendizagem melhora significativamente desde a infância até a adolescência e a idade adulta. 

Atenção especial para os adolescentes

Em geral, os adolescentes são mais eficazes em seu aprendizado do que as crianças, e os adultos são mais eficazes do que os adolescentes. Por exemplo, um estudo descobriu que os adultos eram capazes de aprender tanto com a recompensa quanto com a punição, enquanto os adolescentes eram capazes de aprender com a recompensa, mas eram menos propensos a aprender com a punição.

Essa tendência de não estar tão envolvido com o aprendizado pode ajudar a explicar os resultados negativos da vida real que são comuns durante a adolescência, como aumento da ingestão de álcool, uso de substâncias e comportamentos sexuais de risco.

A aprendizagem muda da idade adulta para a velhice

A idade avançada está associada a um declínio geral nas habilidades cognitivas que podem incluir alguns aspectos da aprendizagem. Compreender esses padrões de mudança é fundamental à medida que a população envelhece em todo o mundo. Entre 2015 e 2050, a proporção da população mundial com mais de 60 anos quase dobrará, passando de 12% para 22%.

Estudos descobriram que a forma como o cérebro representa os sinais de aprendizado sobre recompensas reduz na velhice. Quando adultos mais velhos completam tarefas experimentais em que precisam aprender associações entre suas escolhas e resultados, eles parecem ser piores no aprendizado, principalmente quando as associações são probabilísticas ou mudam

Aqui entra a Dopamina

Acredita-se que partes profundas e evolutivamente antigas do cérebro desempenham um papel crítico no aprendizado de recompensas, e está bem estabelecido que o envelhecimento normal está associado a mudanças significativas nessas áreas do cérebro.

Uma parte do cérebro, o corpo estriado, tem muitos receptores para o neurotransmissor dopamina que são cruciais para o aprendizado. Estudos sugerem que esses receptores diminuem com a idade, o que pode ajudar a explicar as mudanças no aprendizado. 

Curiosamente, um estudo descobriu que o aprendizado poderia melhorar em adultos mais velhos se eles recebessem uma droga chamada L-DOPA, que aumenta o nível de dopamina no cérebro. Se essas drogas melhoram as habilidades de aprendizagem em diferentes faixas etárias é uma questão importante em pesquisas futuras.

Aprendizagem em diferentes contextos

É claro que os aspectos da aprendizagem mudam desde a infância até a velhice. No entanto, um tipo de aprendizagem que mostra um padrão diferente de mudança é quando estamos aprendendo sobre informações “sociais”, como rostos sorridentes ou bons resultados que acontecem com outra pessoa. 

Em um estudo, comparamos as habilidades de aprendizagem de mais de 100 adultos mais jovens (18-36 anos) e mais velhos (60-80 anos). Todos completaram uma tarefa de computador onde poderiam aprender associações entre diferentes imagens abstratas e recompensas (dinheiro). Em algumas rodadas, essas recompensas eram para o próprio aluno e, em outras rodadas, essas recompensas eram dadas a outras pessoas anônimas que o aluno achava que eram semelhantes a elas. Em um conjunto final de testes, essas recompensas não se converteram em dinheiro para ninguém.

Pessoas adultas podem ser tão bons em aprender quanto pessoas mais jovens

Descobrimos, de forma consistente com outras pesquisas, que quando adultos mais jovens e mais velhos estavam aprendendo por si mesmos, os adultos mais velhos eram mais lentos e não eram tão influenciados por recompensas anteriores que recebiam em comparação com adultos mais jovens. Isso sugere que a capacidade dos idosos de aprender o que os ajuda é menor. 

Curiosamente, quando comparamos o que aconteceu nas rodadas sociais, vimos um padrão diferente. Os adultos jovens e mais velhos eram tão bons na tarefa quando estavam aprendendo o que ajudaria as outras pessoas anônimas. Portanto, a capacidade dos adultos mais velhos de aprender o que ajudou os outros parecia estar “preservada”.

Diferentes tipos de aprendizagem têm trajetórias diferentes

A próxima pergunta que tivemos foi se essas diferenças eram porque os adultos mais velhos não distinguiam mais quem estava recebendo as recompensas. No entanto, descartamos isso, pois os adultos mais velhos eram mais rápidos em aprender a ajudar outra pessoa do que ninguém. 

Este estudo sugere que, quando se trata de informações sociais, os adultos mais velhos podem ser tão bons em aprender quanto os adultos mais jovens. Uma linha de trabalho separada sugere que a aprendizagem social pode depender, em parte, de áreas cerebrais distintas, e isso pode ajudar a explicar por que diferentes tipos de aprendizagem têm trajetórias diferentes ao longo da vida adulta. Trabalhos futuros podem investigar se essas habilidades de aprendizado preservadas podem ser usadas para apoiar o envelhecimento saudável.


Conheça o curso Neurociência e Treinamento!

Clique aqui para saber mais!