6 passos para facilitar a tomada de decisão

Publicado originalmente em: inc.com

Este é um erro comum e que pode ter se intensificado com o período da pandemia: um líder toma uma decisão unilateralmente, desconsiderando o que sua equipe pensa sobre esta decisão. Se eles exigem que todos estejam trabalhando presencialmente no escritório até a próxima segunda-feira ou para fazer um downgrade do plano de saúde, não é de admirar que suas decisões fracassem. Nunca iria dar certo.

As decisões perdem poder quando perdem o engajamento dos stakeholders, de acordo com Eric Pliner, CEO da YSC Consulting e autor do novo livro Decisões Difíceis. Os líderes querem e precisam crucialmente de adesão. Caso contrário, sua decisão pode nunca ser totalmente implementada ou respeitada.

Pliner recentemente compartilhou seu processo de ponta a ponta para tomar decisões difíceis enquanto cria consenso. O tempo investido antecipadamente, diz ele, é mais eficiente do que ter que consertar relacionamentos e ferir sentimentos no futuro.

Acertar se resume a ter clareza e fazer as perguntas certas, como Pliner demonstra em seis etapas descritas abaixo:

1. Pergunte “O que estou decidindo?” e “Sou eu que devo decidir?”

Para navegar em qualquer cenário, primeiro se pergunte: qual é a pergunta importante? Seu enquadramento captura o cerne da questão ou você está considerando uma questão superficial e precisa ir mais fundo?

Então pergunte, esta pergunta está dentro de suas responsabilidades? Mesmo que seja, talvez haja alguém mais próximo do dilema que deva tomar a decisão.

Se alguém da sua equipe puder fazer a ligação, delegue a eles.

2. Qual é a urgência?

Se a decisão for importante, mas não urgente, dedique mais tempo. Questões com escopo e impacto maiores se beneficiarão de uma maior adesão emocional por meio da geração de consenso. Perguntas urgentes que são menos conseqüentes podem precisar de uma liderança mais autoritária.


3. Quem são seus stakeholders? Como você vai envolvê-los?

Se você vai fazer uma escolha difícil que tem efeitos amplos, você precisa de pessoas do seu lado. Comece a prepará-las bem antes de chegar ao cerne da questão.

Pergunte: quem quer estar envolvido na decisão? Quem pode estar interessado, mas na verdade não precisa estar envolvido? Quem precisa estar ciente da decisão?

Pliner compartilha: “Se você pedir a opinião de alguém sem a intenção de seguir seu conselho, corre o risco de se desvincular ou insultá-lo. Pense nos estilos e necessidades individuais de seus stakeholders e considere qual abordagem garantirá seu investimento em termos claros e transparentes”.

4. Explique como a decisão será tomada. Em seguida, peça a opinião das partes interessadas

A decisão deve ser decidida democraticamente com votação, ou por consenso, dando a cada um o direito de veto? Ou você está simplesmente esperando ouvir alguns pontos de vista diferentes que podem informar seu próprio pensamento?

“Evite a ambiguidade ou a tentativa de suavizar a mensagem porque você tem medo de que as partes interessadas não gostem de como você deseja que a decisão seja tomada”, diz Pliner. “Eles ficarão menos felizes se acharem que estão participando do processo e, na prática, não estão.”

Pliner sugere que você diga algo como: “Estou perguntando sobre [a decisão] porque quero ouvir sua opinião/conseguir seu voto/ou dar-lhe poder de veto”.

5. Agradeça às partes interessadas por suas contribuições

Diga “Eu realmente aprecio sua opinião” ou “Obrigado por me deixar ouvir sua voz”. Lembre-os de como a decisão será tomada e se eles têm direito a voto, veto ou voz. Isso os ajudará a viver com a decisão, mesmo que não seja o resultado que esperavam.

6. Padronize as reuniões para focar na tomada de decisões

Quando Pliner apresentou sua abordagem à equipe executiva de uma empresa, eles começaram a criar agendas de reuniões organizadas em torno da tomada de decisões.

Ao lado de cada item, o CEO identificava quem tinha autoridade para tomar decisões e como a decisão seria tomada.

Colocá-lo no papel forçou o CEO a considerar suas expectativas de antemão e garantiu que todos os presentes pudessem desafiar a agenda ou se alinhar a ela.

Não é fácil tomar decisões, mas é possível facilitar o processo

Decisões difíceis nunca são fáceis, mas ter um processo para criar adesão garante um nível de consistência e transparência, diz Pliner. O verdadeiro teste é tomar uma decisão a tempo e com apoio, mesmo se as partes interessadas discordarem.

Fonte: inc.com


Conheça o curso Neurociência Aplicada ao Ambiente Corporativo e descubra como melhorar o ambiente de trabalho através do conhecimento científico.

Clique aqui para saber mais!